23 de junho de 2017

Governo deve anunciar concessões em setembro

Temer não deu detalhes, mas afirmou que desestatizações estão de pé

O governo federal deve anunciar em 13 de setembro o primeiro pacote de concessão de ativos de infraestrutura, afirmou neste domingo o presidente Michel Temer, na China. Temer viajou para o país asiático para participar da reunião de líderes do G20 logo após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na semana passada. Em breve entrevista a jornalistas, Temer não deu detalhes sobre o pacote, mas afirmou que as desestatizações “estão de pé".

 

O governo federal deve anunciar em 13 de setembro o primeiro pacote de concessão de ativos de infraestrutura, afirmou neste domingo o presidente Michel Temer, na China. Temer viajou para o país asiático para participar da reunião de líderes do G20 logo após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, na semana passada. Em breve entrevista a jornalistas, Temer não deu detalhes sobre o pacote, mas afirmou que as desestatizações “estão de pé”.

 

“No dia 13, deveremos anunciar aquelas matérias que poderão ser concedidas”, disse Temer a jornalistas. Mais cedo, o presidente havia dito em discurso que uma ampla agenda de reformas está sendo promovida no Brasil com foco em elevar a produtividade da economia e gerar ambiente de negócios mais favorável.
Na entrevista, o presidente citou que indicadores de confiança na economia “cresceram enormemente e quando a confiança cresce o emprego começa a aumentar e você naturalmente terá alegria. Mas com 12 milhões de desempregados há uma certa tristeza nisso e uma certa indignidade”. A declaração foi em resposta a pergunta de jornalista sobre comentários do papa Francisco, que na véspera pediu orações ao povo brasileiro “neste momento de tristeza”.
Segundo Temer, o papa “revelou uma preocupação com o Brasil, que é uma preocupação que todos nós temos. A alegria se formará pouco a pouco (…) não tenho a menor dúvida de que nós saímos de um instante um pouco complicado. Foram três, quatro meses, de uma problemática político-institucional que gerou conflitos”, disse. “Neste sentido, o papa disse ‘orem pelo Brasil’. Quem faz uma oração faz para que a ação seja pacificadora e acho que isso é o que o papa está pedindo”, disse Temer, que aproveitou para criticar depredações ocorridas durante manifestações que se seguiram ao impeachment de Dilma, na semana passada.
Apoio da base
Questionado sobre o comportamento da base aliada, Temer afirmou que mantém diálogo permanente com os partidos e disse que preza “muito o apoio do PSDB”.
“Com esta base sólida, vamos conseguir aprovar questões aparentemente difíceis, mas que produzirão efeitos muito benéficos no futuro”, disse o presidente sem dar detalhes. O governo pretende, além de aprovar o Congresso proposta que limita o aumento de gastos, apresentar reformas da Previdência e nas relações de trabalho.
Ao ser questionado sobre a necessidade de discutir a relação com sua base, o presidente afirmou que com uma base de quase 20 partidos, se não fizer isso permanentemente não se consegue manter a união. “Quando tivermos dois, três partidos fica mais fácil, mas, por enquanto, precisamos conversar permanentemente”, disse Temer.
“Precisamos de base sólida, mas mais do que isso, a compreensão dos partidos que nos apoiam e até o presente momento não tenho dúvida desta compreensão”, acrescentou.
Sobre a proposta de reajuste dos salários do Judiciário, Temer afirmou apenas que vai esperar o posicionamento do Senado. “Vejo que há grande divisão do Senado, mesmo no PMDB. Não se pode ter gastos públicos neste momento”.

 

Temer afirmou ainda que após o G20, ficou marcada uma reunião dos Brics – grupo que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – no Estado de Goa, na Índia, em outubro e que entre as preocupações comuns estão desemprego, terrorismo e mudanças climáticas, pauta que também é do interesse das nações do G20.

 

 

 

Fonte: Band

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*