19 de Setembro de 2020

Petistas acusam Bolsonaro de "fugir da responsabilidade" ao pedir que Congresso derrube veto de perdão a dívidas das igrejas

Foto:Montagem/BNews

Junto ao PSOL, o PT foi o único partido a orientar o voto contrário ao Projeto de Lei de autoria de David Soares (DEM), filho do pastor R.R Soares, que prevê o perdão a dívidas fiscais das igrejas. Apesar de aprovado na Câmara, o PL foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro.

A atitude foi vista com surpresa não só por apoiadores, como o caso do vice-líder da frente parlamentar evangélica, Abílio Santana (PL), mas também pela oposição. Os deputados petistas Jorge Solla e Afonso Florence veem na atitude do presidente uma estratégia para "fugir da responsabilidade" da decisão sobre o tema, que afeta a vida de aliados de Bolsonaro. 

Ex-secretário de Saúde, o deputado Jorge Solla vê a atitude de Bolsonaro de pedir que o próprio veto fosse derrubado no Congresso, como "dúbia". Em conversa com o BNews, o petista declarou que o presidente respondeu a "uma pressão da área econômica", mas que logo em seguida recuou para não abalar o apoio da ala evangélica, que constitui parte importante do seu eleitorado.

"Tem uma pressão da área econômica. Ele respondeu tentando contemporizar com a área política, da mesma forma que fizeram com os latifundiários, que fazem com o povo das finanças, os privilegiados. O povo, continua penando.", disparou o parlamentar.

Solla lembra que foi o Congresso que tocou parte dos projetos que hoje beneficiam a popularidade do próprio presidente da República, como o caso do auxílio-emergencial, que chegou a ser anunciado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, no valor de R$ 200,00, sendo depois alterado para R$ 600,00 com o empenho de deputados.

Na visão de Afonso Florence, as relações de Bolsonaro com religiosos atraem desconfiança. Ele lembra a prisão de Pastor Everaldo, que batizou o presidente em Israel, alvo da operação que afastou Wilson Witzel do governo, e critica as propostas tributárias do governo que, segundo ele, visam prejudicar a população pobre e beneficiar os ricos.

Entre elas está a tributação de instituições sociais e a ideia da CPMF reformulada, sobre transações digitais, que como ressalta Florence, estão cada vez mais sendo utilizados como meio de pagamento. 

"Ele fugiu da responsabilidade dele. O pastor que batizou ele na igreja foi preso por corrupção, impressionante que ele tenha pessoas assim em volta [...] E aí tem casos que dizem que a casa, o patrimônio do pastor está envolvido, tem depósito na conta da mulher. A suspeita que se levanta é que ele tenha interesses escusos nisso. Com pastores, a gente fica logo com suspeita e o pior, o governo está fazendo uma política de cobrar de pobre e isentar os ricos", explicou o petista ao BNews.

Florence adverte que o movimento de transferir para o Congresso a decisão de derrubar o veto pode ainda inspirar outros setores que contam com bancadas fortes, que segundo ele predominam nas camadas da "direita".

"Ele manda o projeto de lei para o Congresso tributando doação para instituição social. Se você quiser doar dinheiro para cadeira de rodas, vai tributar? Aumentando Cofins para 12%, tributo hoje que é de 3%, 3,5%, quase quadruplica esse tributo, agora isenta tributo não pago das igrejas? Todo mundo que tem força, que se acha no direito de não pagar [...] se a moda pega, a bancada BBB (bala, bíblia e boi), todos esses segmentos então podem não pagar tributo, pois sabem que depois tem uma bancada que vai e tem a conivência do presidente", questiona Florence.

Fonte:BNews

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos