08 de Agosto de 2022

Barroso, do STF, apresenta queixa-crime contra Magno Malta após ataque em palestra

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal) apresentou uma queixa-crime por calúnia contra o ex-senador bolsonarista Magno Malta (PL-ES), que fez ataques pesados ao integrante da corte no último sábado (11), na conferência conservadora Cpac Brasil.

Na ocasião, em meio a críticas aos ministros do Supremo, Malta acusou Barroso de agredir mulheres. A ação da defesa do ministro aponta que essa é uma imputação falsa de um crime com o objetivo de atingir a sua honra. As falas do ex-senador foram reveladas pelo Painel.

A queixa-crime ficou sob a responsabilidade do ministro Alexandre de Moraes, por conexão com outros inquéritos relatados por ele, como o das fake news. Moraes determinou que o ex-senador se manifeste em até 15 dias sobre a queixa-crime de Barroso.

Segundo o advogado de Barroso, Ademar Borges, houve o intuito de "ofender a dignidade e o decoro pessoal" do ministro "mediante a imputação falsa de fato criminoso".

"É absolutamente infundada a alegação de que o Querelante [Barroso] teria agredido fisicamente mulher com a qual mantém ou manteve qualquer relação pessoal. Como evidente, o Querelante nunca agrediu ninguém —muito menos uma mulher com quem tivesse convivência familiar— física ou verbalmente", afirma o advogado na queixa-crime.

"Não bastasse, o Querelado [Malta] não apresentou nenhuma prova que comprovasse suas alegações —como não poderia deixar de ser, uma vez que se trata de afirmação manifesta e sabidamente inverídica", acrescentou.

Os ataques, argumenta a defesa, não só tinham a intenção de atacar Barroso, mas também para enfraquecer a democracia e o Supremo Tribunal Federal.

Em sua palestra na convenção, Malta fez uma série de ataques ministros do Supremo. Barroso foi criticado por seu passado de advogado, que incluiu a defesa do ativista Cesar Battisti, além de suas posições a favor de ampliação do direito ao aborto e descriminalização da maconha.

"Sabe por que eu lutei contra Barroso? Advogado de Cesar Battisti, das ONGs abortistas e da legalização da maconha", disse Malta.

Foi nesse momento que acusou o ministro de espancar mulheres. "Barroso quando ele é sabatinado a gente descobre que ele tem dois processos no STJ, na Lei Maria da Penha, por espancamento de mulher. Além de tudo, o Barroso bate em mulher. Eu só falo o que eu posso provar", afirmou.

Em nota, por meio da assessoria do STF, o gabinete de Barroso afirma que em 2013 uma advogada que ele desconhecia entrou com uma ação contra diversos agentes públicos, entre eles o próprio ministros, procuradores e desembargadores.

"A referida advogada, numa história delirante, dizia ter sido atacada moralmente na tribuna durante uma sustentação. O ministro nunca sequer viu a referida advogada. O fato simplesmente não aconteceu, vindo o recurso a ser arquivado. Não há qualquer vestígio de veracidade na fala de Magno Malta", diz a nota.

O caso foi arquivado pela ministra Eliana Calmon, do STJ. Ela determinou que o processo fosse enviado para o Ministério Público e para a OAB para apurar possíveis infrações penal e administrativa cometidas pela advogada.

Whatsapp

Galeria

Bahia Farm Show apresenta exposição fotográfica sobre as belezas do Oeste da Bahia
Exposição aproximará startups agrícolas de investidores privados
Ver todas as galerias

Artigos