23 de junho de 2017

Rui e Neto se entendem e Cine Glauber deve continuar com governo

O prefeito ACM Neto (DEM) deve enviar em breve um documento para a Câmara Municipal de Vereadores retirando de pauta o projeto que revoga os efeitos da lei aprovada em 1973 que cedeu a posse do Cine Glauber Rocha ao Governo do Estado. A celeuma entre os poderes executivo estadual e municipal se estende desde fevereiro do ano passado e recentemente o tom de ambos os chefes do Executivo – Neto e Rui Costa – aumentou. Agora, pelas informações obtidas pela reportagem do Bocão News, o prefeito vai recuar.

 

O prefeito ACM Neto (DEM) deve enviar em breve um documento para a Câmara Municipal de Vereadores retirando de pauta o projeto que revoga os efeitos da lei aprovada em 1973 que cedeu a posse do Cine Glauber Rocha ao Governo do Estado. A celeuma entre os poderes executivo estadual e municipal se estende desde fevereiro do ano passado e recentemente o tom de ambos os chefes do Executivo – Neto e Rui Costa – aumentou.

A ação faz parte da mobilização feita pelo governador petista para entrar em negociação com o Executivo soteropolitano e assim não perder a tutela da construção. Contudo, até então, o Palácio de Ondina não conseguiu apresentar documento que assegure a incorporação do prédio ao patrimônio estadual.

A oposição tentou por vezes dialogar com o Estado para esclarecer o caso, mas deu com burros n’água. O próprio governo deu de ombros para o caso. Só se coçou após a iminência da votação após o Carnaval e o assunto ter ganhado os holofotes da imprensa.

Muita água rolou. Muitos pedidos foram feitos. O ex-presidente do Legislativo Municipal, Paulo Câmara (PSDB), protelou a votação do projeto em 2016, Léo Prates (DEM) deu prosseguimento com o processo de empurra até que se buscasse um consenso e não fosse necessário passar o rolo compressor governista em um caso que não suscita tanta polêmica.

A oposição na CMS, inclusive, apontou a especulação financeira em torno da revitalização da Rua Chile como motivadora da retomada da construção pela prefeitura. Chegou também a dizer que o “avô ganhou e o Neto quer tomar”, em referência ao então governador do Estado em 1973, Antônio Carlos Magalhães.

Nos capítulos recentes da narrativa, os chefes do Executivo colocaram suas Casas Civis para dialogarem e entrarem em um acordo. Pelo que se sabe, o Teatro Gregório de Matos, de responsabilidade da Fundação homônima pertencente à prefeitura, continua como está e o Glauber Rocha, com o governo. Rui e Neto entrariam num consenso para executarem melhorias nos locais.

 

 

Fonte: Bocão News

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*