23 de abril de 2017

Temer: é provável que alguns ministros se afastem

O presidente Michel Temer admitiu, nesta segunda-feira, que é “constrangedor” ver o país envolvido na série de denúncias de corrupção das delações de executivos da Odebrecht. Ele também disse que alguns de seus ministros podem pedir demissão, mas reiterou que mantém a linha de corte de só afastar quem for denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF).
Presidente Michel Temer

 

O presidente Michel Temer admitiu, nesta segunda-feira, que é “constrangedor” ver o país envolvido na série de denúncias de corrupção das delações de executivos da Odebrecht. Ele também disse que alguns de seus ministros podem pedir demissão, mas reiterou que mantém a linha de corte de só afastar quem for denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“É muito provável que alguns ministros fiquem desconfortáveis e acreditem que não podem continuar”, disse Temer em entrevista por telefone à rádio Jovem Pan, acrescentando, no entanto, que não irá mudar sua linha de corte. “Não vou demitir ou exonerar porque alguém falou de outro. Quando houver provas robustas, pela hipótese da denúncia, daí começo a tomar providências”.

Temer disse ainda ser “constrangedor” e “extremamente desagradável” ter sido citado nas delações da Odebrecht como tendo negociados recursos ilegais para o PMDB, por “se tratar de uma inverdade”, mas assegurou que as delações não irão “prejudicar a governabilidade”.

“É muito desagradável e extremamente constrangedor porque se trata de uma inverdade”, disse o presidente.

Em uma das delações tornadas públicas na semana passada, um dos executivos da Odebrecht, Márcio Faria, afirmou ter tido uma reunião no escritório de Temer em São Paulo em 2010 onde se tratou do pagamento ao PMDB de propina de um contrato da Petrobras.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Band

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*