15 de Maio de 2021

MP-BA pede anulação de decisão que homologou acordo entre prefeitura e Aeroclube

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) pediu à Justiça a anulação da sentença da 2ª Vara da Fazenda Pública que homologou, em fevereiro deste ano, um acordo de R$ 28 milhões entre a prefeitura de Salvador e o Consórcio Parques Urbanos, antigo responsável pela administração do Aeroclube.

 

O acordo extrajudicial prevê que a gestão pague R$ 20 milhões em indenização ao consórcio, em parcela única e em um prazo de até 20 dias após a homologação, por rescindir unilateralmente o contrato de concessão. Também estabelece a extinção, via compensação por créditos tributários, de R$ 7,912 milhões em impostos devidos ao Município pela empresa. 

 

Para o MP-BA, no entanto, os termos desta negociação podem “onerar os cofres públicos em mais de 20 milhões de reais em decorrência de ajuste permeado por diversas irregularidades, justamente neste momento deficitário e calamitoso vivido em razão da pandemia da Covid-19”, diz trecho do recurso apresentado pelo órgão à Justiça, ao qual o Bahia Notícias teve acesso. O Ministério Público abriu inquérito em 25 de fevereiro deste ano para apurar possíveis danos do acordo ao erário.

 

Ao site, a promotora de Justiça Rita Tourinho, responsável pela investigação, disse que a prefeitura justifica que o valor fixado é vantajoso para a gestão porque a quantia poderia passar dos R$ 40 milhões. O acordo também poria fim a um imbróglio que se arrasta desde 2017, quando o Parques Urbanos ingressou com ação na Justiça para anular débitos fiscais com a gestão e questionar a rescisão da concessão.

 

A promotora pensa diferente, no entanto. Na visão dela, a cifra de R$ 28 milhões, mesmo menor, continua indevida porque a prefeitura não cometeu ilegalidade ao rescindir o contrato. Um processo administrativo aberto pela própria Procuradoria-Geral do Município (PGM) apontou diversas situações de descumprimento contratual por parte do consórcio, que justificariam o rompimento. Rita também questiona o prazo de 20 dias, considerado para ela curto, para que a prefeitura pague o valor.

 

No recurso, os promotores Rita Tourinho e Luciano Taques Ghignone alegam questões processuais para questionar a decisão que homologou o acordo extrajudicial. Para eles, a sentença tem nulidades porque o MP-BA não foi ouvido sobre a questão. “A sentença homologatória proferida nos autos deve ser invalidada, tendo em vista que não determinou a intimação do Ministério Público para atuar na qualidade de fiscal da ordem jurídica e manifestar-se acerca da questão de interesse público, cuja atribuição lhe compete”, diz trecho da peça.

 

IRREGULARIDADES

Os promotores também questionam o mérito da decisão e argumentam que o acordo não traz vantagem comprovada para o município. Para eles, a prefeitura não apresentou no processo os critérios usados para calcular a indenização paga ao consórcio, o que impede que órgãos de controle verifiquem se a cifra é excessiva ou se a dívida tributária foi estimada em valor menor do que o real. 

 

Outra questão que chama atenção dos promotores é o fato de a prefeitura reconhecer no acordo que agiu de maneira irregular, mas não fazer, segundo o MP-BA, qualquer menção ao descumprimento do contrato pelo consórcio.

 

Processo aberto pela Procuradoria Geral do Município aponta “inúmeras infrações contratuais” por parte do Parques Urbanos, como deixar de construir, manter e conservar o Parque dos Ventos, contrapartida exigida pela prefeitura para renovar a concessão em 2014; falta de aprovação dos projetos das passarelas e vias de acesso à orla no caso do shopping que seria construído pela empresa no Aeroclube; realização de obras em desacordo com licenças expedidas pelo Município; e descumprimento dos prazos de realização das obras, tanto do parque quanto do shopping.

 

“O Autor [Consórcio] alega e parece confessar que, de fato, retardou a execução de parte do acordo em razão da recessão que assola o Brasil. No entanto, a recessão noticiada diariamente nas sessões de economia de qualquer jornal deste país não é motivo para que o concessionário deixe de adimplir as obrigações contratadas, dado que era sua obrigação se acautelar quando resolveu participar da disputa pelo contrato de concessão”, diz a Procuradoria em petição no âmbito do processo administrativo que culminou na rescisão do contrato.

 

Os promotores também consideram que a transação extrajudicial desconsiderou o regime constitucional dos precatórios, criando um privilégio ilegal para o Consórcio Parques Urbano, estabelecendo o “exíguo” prazo de até 20 dias úteis do início oficial do exercício fiscal para o pagamento de todo o montante. O MP afirma, ainda, que a transação contraria os atos municipais que reconhecem a perda de arrecadação da prefeitura e impõem contenção de gastos no período da pandemia.

 

BREVE RETROSPECTIVA
Inaugurado em 1999, o badalado Aeroclube Plaza Show, administrado pelo Consórcio Parques Urbanos, fechou as portas em 2014, após acumular dívida tributária milionária com o município.

 

Naquele mesmo ano, o então prefeito de Salvador, ACM Neto, assinou a renovação do contrato de concessão até 2056, para a construção de um shopping no local.

Como contrapartida para a cessão, o consórcio deveria construir o Parque dos Ventos, uma área pública ao lado do centro de compras. Mas, com os sucessivos descumprimentos contratuais, a prefeitura fez a rescisão unilateral. No local, foi construído o novo Centro de Convenções de Salvador.

 


 

 

Fonte: Bahia Notícias 

 

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos