19 de Setembro de 2021

Especialistas e investigador dizem não haver prova de fraude ou mudança em código-fonte de urnas em 2018

O jornal Folha de S.Paulo recebeu, na semana passada, o inquérito citado pelo presidente Jair Bolsonaro em entrevista na noite quarta-feira (4) e consultou diversos especialistas e uma pessoa envolvida na investigação, que foram unânimes: o inquérito não conclui que houve fraude no sistema eleitoral em 2018 ou que poderia ter havido adulteração dos resultados, ao contrário do que disse o mandatário em entrevista à Rádio Jovem Pan nesta quarta-feira (3).

 

O caso da invasão, em módulos que não alteram a votação em si, já tinha sido revelado em reportagem no site Tecmundo em novembro de 2018. A partir disso, foi instaurado ainda naquele ano um inquérito sigiloso pela Polícia Federal, que foi obtido pelo deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator da PEC do voto impresso na Câmara.

Na entrevista à Jovem Pan, Bolsonaro afirmou que o código-fonte esteve nas mãos de um hacker e, por isso, a eleição de 2018 pode ter sido fraudada. “Quando tivemos eleições em que o código-fonte esteve na mão de um hacker, pode ter acontecido tudo, [o eleitor] aperta 17 e sai nulo”, disse. Essa tese é rebatida por Diego Aranha, professor do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Aarhus (Dinamarca), um dos maiores especialistas em segurança digital.

Aranha é crítico das vulnerabilidades do sistema do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e defende o comprovante impresso, mas não já para a próxima eleição. “É naturalmente falso o argumento de que a posse do código-fonte é suficiente para provocar fraude.

Se fosse o caso, os fiscais de partidos políticos que possuem acesso ao código-fonte nas dependências do TSE estariam fraudando eleições a torto e a direito desde o princípio, o que não é nada razoável de se assumir”, disse Aranha, que também teve acesso ao inquérito.

O inquérito foi instaurado em 8 de novembro de 2018 a partir de reportagem do jornalista Felipe Payão, publicada no site Tecmundo. Na época, Payão revelou comunicações de um hacker que dizia ter invadido o sistema GEDAI.

No entanto, como a própria reportagem deixava claro, “os invasores não tiveram acesso ao módulo do sigilo do voto: isso significa que não foi possível acessar a parte do sistema que exibe os votos dos eleitores.

Além disso, o código do GEDAI é 'público': após a assinatura de um termo de sigilo, partidos, Ministério Público e OAB, por exemplo, podem pedir o acesso".

Além disso, segundo atesta o professor Paulo Matias, do Departamento de Computação da Universidade Federal de São Carlos, o inquérito não conclui que o invasor entrou e pôde modificar o código-fonte.

“E mesmo se o atacante tivesse obtido acesso de escrita ao repositório de códigos-fonte interno do TSE, o Git tem algumas salvaguardas contra modificações no repositório central de códigos: ele guarda o histórico de alterações, e não é possível alterar o histórico antigo.

Então seria possível detectar se tivesse havido modificação pelo invasor”, diz Matias, que defende a implementação gradual do voto impresso. Especialistas defendem que o código-fonte seja inclusive divulgado na internet, e não apenas para líderes de partidos.

Assim haveria mais transparência, e a população inteira poderia acompanhar o desenvolvimento e fiscalizar para verificar se aparecem alterações estranhas.

O TSE afirmou em 2017 que faria isso, mas ainda não o fez. Bolsonaro alega que o ataque de 2018, utilizando o acesso à chave do GEDAI-EU, poderia ter removido o registro de sua candidatura à Presidência, e uma seção atacada jamais aceitaria como voto válido o 17 —número do PSL, partido pelo qual concorria.

Matias diz que essa mudança, se tivesse ocorrido, teria sido facilmente encontrada pelos peritos da PF nas urnas periciadas após a eleição. Segundo um participante da investigação, a Polícia Federal não chegou a resultados conclusivos no inquérito, ao contrário do que afirmaram Bolsonaro e o deputado na entrevista desta quarta-feira.

O principal motivo, segundo essa pessoa, é porque o TSE não disponibilizou os logs (registros) da época. O próprio especialista que participou da entrevista ao lado de Bolsonaro, Mario Gazziro, da Universidade Federal do ABC, afirmou que “muito são conjecturas, e que não é possível comprovar porque não há logs”.

Bolsonaro afirma que o próprio TSE apagou os logs e “cometeu um crime”. No inquérito, o TSE explica que uma empresa terceirizada era a responsável pelos logs. E , segundo o texto, os logs foram apagados porque o disco de armazenamento, gerenciado por uma empresa terceirizada, lotou —o que gerava a apagamento automático após atingir a capacidade de 80 GB.

Segundo especialistas, isso é normal, e todo sistema funciona assim. Tampouco há admissão pelo TSE no inquérito de fraudes, como disse Bolsonaro. A investigação descreve etapas onde se verificou que não houve alteração indevida de sistemas críticos que fazem parte do ecossistema da urna.

Whatsapp

Ultimas notícias

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos