18 de Outubro de 2021

Temer faz agrado a Doria por Reforma da Previdência

Em meio à divisão do PSDB sobre a permanência no governo, à indefinição quanto ao candidato tucano à Presidência em 2018 e a necessidade de recompor a base aliada para aprovar a Reforma da Previdência, o presidente Michel Temer distribuiu nesta segunda-feira, elogios e alçou o prefeito de São Paulo, João Doria, à condição de líder nacional.

 

 

Em meio à divisão do PSDB sobre a permanência no governo, à indefinição quanto ao candidato tucano à Presidência em 2018 e a necessidade de recompor a base aliada para aprovar a Reforma da Previdência, o presidente Michel Temer distribuiu nesta segunda-feira, elogios e alçou o prefeito de São Paulo, João Doria, à condição de líder nacional.

Temer e Doria assinaram na sede da Prefeitura um acordo que prevê a concessão ao Município de parte do Campo de Marte, hoje sob controle da Força Aérea, para construção de um parque e de um museu aeroespacial. A disputa judicial entorno da área vem desde 1958. 

Segundo auxiliares do presidente, o gesto tem por objetivo amarrar o apoio de Doria à reforma da Previdência. 

"Vejo aqui um parceiro e um companheiro. Alguém que compreende como ninguém os problemas do País. Porque a visão do João Doria é municipalista, o que é fundamental, mas uma visão nacional", disse Temer durante o evento em São Paulo.

Leia também
Delações em curso podem ajudar investigações contra Temer
João Doria nega candidatura ao Planalto em 2018


O primeira gesto do governo Temer de se aproximar de Doria aconteceu no sábado passado, quando o Itamaraty realizou reunião do Mercosul sobre a Venezuela na Prefeitura de São Paulo.

O presidente espera pelos votos da bancada do PSDB para aprovar a reforma mais polêmica de seu governo. Dos 13 deputados tucanos de São Paulo apenas uma, Bruna Furlan, votou contra o prosseguimento da denúncia contra Temer por corrupção passiva. O Planalto avalia que, embora tenham votado contra o governo, estes parlamentares podem apoiar a reforma - uma proposta de emenda à Constituição necessita de um mínimo de 308 votos na Câmara.

Integrantes da equipe de Doria afirmam que o prefeito vai atuar para que a bancada do PSDB dê os votos necessários para a mudança nas regras previdenciárias. Pelos cálculos do governo, levando em conta a votação da admissibilidade da denúncia contra Temer, na semana passada, faltam 22 votos para aprovação da reforma. O governo, no entanto, quer garantir o apoio de ao menos mais 40 deputados para ter margem de manobra.

Temer elegeu Doria como interlocutor com os deputados tucanos porque hoje sua identificação é maior com o prefeito do que com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) que age para ser candidato à Presidência em 2018 e mantém uma postura mais crítica ao governo federal. "Candidatura é o partido que decide. Vamos discutir no momento certo", afirmou Alckmin, que era esperado na agenda com Temer e evitou comentar a possibilidade de seu afilhado político concorrer à Presidência.

O governador não compareceu ao evento de ontem, embora seu nome estivesse na agenda do prefeito. Segundo Doria, o governador "foi generoso" e decidiu na véspera que não iria ao ato para não ofuscar o papel da Prefeitura.

 

Fonte: Band

 

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos