18 de Outubro de 2021

Mulher tramou morte de amiga em Lauro por desconfiar de magia negra

A dona de casa Fernanda dos Santos Alves, de 37 anos, pagou R$ 500 para matar Jumaria dos Santos Barbosa, 41, assassinada a tiros, em abril, numa academia de ginástica, no centro de Lauro de Freitas. A mulher foi apresentada à imprensa, nesta segunda-feira (7), no auditório do edifício-sede da Polícia Civil, na Praça da Piedade, região central de Salvador.

 

A dona de casa Fernanda dos Santos Alves, de 37 anos, pagou R$ 500 para matar Jumaria dos Santos Barbosa, 41, assassinada a tiros, em abril, numa academia de ginástica, no centro de Lauro de Freitas. A mulher foi apresentada à imprensa, nesta segunda-feira (7), no auditório do edifício-sede da Polícia Civil, na Praça da Piedade, região central de Salvador.

Durante a apresentação, o titular da 23ª Delegacia Territorial (DT), de Lauro de Freitas, delegado Joelson Reis, e o delegado Maurício Costa, também daquela unidade, explicaram os detalhes das investigações que levaram à prisão de Fernanda, ocorrida no dia 12 de julho, na cidade de Natal, e a participação de outras cinco pessoas.

 

Fernanda estava escondida na casa de parentes, no Rio Grande do Norte, e teve o mandado de prisão preventiva cumprido por policiais da 23ª DT, que contaram com o apoio de equipes da Delegacia Especializada de Homicídios (Dehom), daquele estado.

Interrogada pelo delegado Joelson Reis, ela confessou ter encomendado a morte de Jumaria por desconfiar que ela estivesse fazendo “trabalhos de magia negra” para mantê-la afastada do ex-marido, por quem a vítima estaria interessada. Elas se conheceram, no final do ano passado, e acabaram se tornando amigas.

O titular da DT/Lauro de Freitas também mostrou fotografias de Rakmus Varjão Pereira Alves, sua mulher Taís Santos Ferreira, Diego Silva dos Santos e Gilmário Carneiro dos Santos, também envolvidos na morte de Jumaria. Todos eles já possuem mandado de prisão preventiva expedidos pela Justiça. Rakmus é irmão de Fernanda por parte de pai.

 

O delegado exibiu ainda aos jornalistas um vídeo onde um homem identificado pelo apelido de Branco, o autor dos disparos, aparece se dirigindo até a academia e, pouco depois, correndo para fugir do local. Poucos dias antes da morte de Jumaria, todos os envolvidos se encontraram num bar, onde tramaram como fariam a execução.

 

No dia do crime, Branco foi à academia se passando por alguém interessado em se matricular. Ele se aproveitou que a vítima estava distraída e efetuou quatro disparos. Rakmus e Gilmário foram os responsáveis por contratar Branco e Diego, que tem outros dois mandados de prisão por homicídio em aberto, e deram cobertura ao assassino.

 

 

Fonte: Informe Baiano

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos