21 de Junho de 2021

CNJ arquiva denúncia contra desembargadora por supostas críticas a Bolsonaro na internet

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) arquivou uma denúncia realizada em fevereiro contra a desembargadora Rosa Helena Macedo Guita - a mesma que no fim de 2020 determinou a prisão preventiva do ex-prefeito Marcelo Crivella -, por supostas publicações na internet com críticas ao presidente Jair Bolsonaro. 

De acordo com informações da coluna de Ancelmo Gois, no jornal O Globo, a corregedora nacional de Justiça, Maria Thereza de Assis Moura, ordenou o arquivamento do caso após avaliar a acusação e a defesa feita pela magistrada.

 

Em fevereiro, Moura notificou o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro após uma representação disciplinar contra a desembargadora. Na ocasião, ela cobrou esclarecimentos sobre uma publicação atribuída a Guita, na qual Bolsonaro aparece segurando o procurador-geral da República, Augusto Aras, por uma coleira. 

 

O material foi encaminhado ao CNJ, mas não houve comprovação de que a desembargadora realmente fez a publicação. Diante disto,  a corregedora Maria Thereza de Assis Moura decidiu que é "inadmissível a instauração de procedimento disciplinar quando inexistentes indícios ou fatos que demonstrem que o magistrado tenha descumprido deveres funcionais". 
Segundo a coluna, o advogado Luis Eduardo Salles Nobre, autor da denúncia, afirmou que irá recorrer da decisão.

 

 

 

Fonte: Bahia Notícias 

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos