05 de Agosto de 2021

Bolsonaro prevê mais 2 ou 3 parcelas de auxílio e novo Bolsa Família de R$ 300

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (15) que o Ministério da Economia está estudando o pagamento de "mais duas ou três parcelas" do auxílio emergencial após o fim da rodada atual, que termina em julho.
 

"Mais duas ou três parcelas, está faltando só esse 'finalmente' aí, de auxílio emergencial de média de R$ 250. Média", afirmou Bolsonaro em entrevista à SIC TV, afiliada da RecordTV em Rondônia.
 

Na segunda-feira (14), o ministro Paulo Guedes (Economia) havia informado ao jornal Folha de S.Paulo a prorrogação por três meses.
 

De acordo com o ministro, o presidente Jair Bolsonaro baterá o martelo sobre a medida após se informar com o Ministério da Saúde e receber a decisão do Ministério da Cidadania, que é responsável pela gestão do programa.
 

Na última semana, a equipe econômica havia fechado uma proposta para prorrogar o auxílio a informais por dois meses. O custo estimado era de R$ 18 bilhões.
 

Em seguida, Guedes afirmou em videoconferência na terça-feira (8) que a assistência poderia ser renovada por mais dois ou três meses. Agora, porém, o ministro disse que ficou decidido que o prazo será de três meses.
 

A rodada atual do auxílio tem quatro parcelas, que começaram a ser pagas em abril e serão encerradas em julho. Hoje, o valor de cada parcela varia R$ 150 a R$ 375 por mês.
 

A prorrogação do auxílio emergencial é uma das apostas de Bolsonaro para alavancar sua popularidade, que está em queda.
 

Além disso, Bolsonaro confirmou na entrevista desta terça sua intenção de turbinar o Bolsa Família, programa criado na gestão do PT.
 

"Agora, no tocante ao Bolsa Família, tivemos uma inflação durante a pandemia no tocante aos produtos da cesta básica em torno de 14%, você teve item que subiu até 50%, sabemos disso daí", disse o presidente.
 

"E o Bolsa Família, a ideia é dar um aumento de 50% para ele em dezembro. Passaria de, em média, R$ 190 para R$ 300. É isso que está praticamente acertado aqui", afirmou.
 

Segundo Bolsonaro, o programa social contemplaria cerca de 18 milhões de famílias.
 

Na mesma entrevista, Bolsonaro comentou da intenção de, na proposta de reforma tributária, acabar com o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), mas com a criação de uma compensação.
 

O mandatário disse que, fechada a proposta, ela será submetida à população, já que, na véspera de tentar sua reeleição, Bolsonaro tenta se esquivar de medidas impopulares.
 

"O Paulo Guedes tem estudado uma maneira de acabarmos com o IPI. O imposto sobre produtos industrializados é muito alto no Brasil. É geladeira, fogão, bicicleta... Obviamente, com uma compensação do outro lado", afirmou Bolsonaro.
 

"Estamos buscando disso aí e nós pretendemos, se chegarmos à conclusão disso, apresentar a proposta à população e ver qual a reação", disse o presidente.

Bahia notícias

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos