18 de Outubro de 2021

Vereador do PSOL é afastado por 60 dias pelo partido após episódio de homofobia

O vereador Paulo Eduardo Gomes foi afastado da Câmara de Niterói, no Rio de Janeiro, pelo diretório municipal do PSOL após um episódio de homofobia. O afastamento tem duração de 60 dias. As informações são do G1.

De acordo como partido, Paulo vai passar por formações internas sobre racismo, lgbtfobia e machismo. Durante o afastamento, Regina Bienestein assume o lugar do homem na Câmara.

No dia 07 de julho, a vereadora Verônica Lima (PT) foi alvo de falas constrangedoras de Paulo. “Quer ser homem? Então vou te tratar como homem”, disse o vereador na ocasião. De acordo com a parlamentar, Gomes precisou ser contido por colegas da Casa Legislativa.

“Ele começou a falar alto, cada vez mais alto. Pedi que falasse baixo, três vezes. Na quarta, levantei a voz. Aí ele se levantou e me perguntou: ‘Você quer ser homem?’ Eu disse: ‘Não, não quero ser homem, me respeita.’ [Ele falou] ‘Se você quer ser homem, vou te tratar como homem’. Ele partiu para cima de mim e precisou ser contido”, contou Verônica.

No mesmo dia do episódio, Paulo pediu desculpas. “Na exaltação de uma discussão, eu cometi um ato absolutamente machista e absolutamente agressivo à vereadora Verônica. No ato que isso aconteceu, a vereadora Benny, representando a bancada do PSOL, falando em meu nome, em nome do vereador Túlio, pediu desculpas. No que eu referendei e pedi desculpas também. É evidente que é imperdoável e não se justifica pra quem há 40 anos, há 40 anos, milita na defesa de todos os direitos humanos. Eu devo aos meus companheiros, ao presidente da Casa e ao conjunto dos vereadores as desculpas públicas que eu precisava dar”, comentou Gomes.

“O que eu espero é que seja feita justiça na medida correta, sem passar pano, porque dois meses com cursinho para uma pessoa que tem a idade que ele tem, a quantidade de mandados que ele tem, na minha opinião não é o suficiente. Então eu espero efetivamente que a justiça seja feita”, afirmou Lima.

A vereadora também revelou que ainda sente muito o que aconteceu. “De fato, essa dor permanece e é muito difícil porque não é fácil para alguém que foi democraticamente eleita pelo povo ser vítima de um ato de violência política de gênero como a gente classifica o que eu vivenciei”, concluiu.

A Câmara de Niterói confirmou que o caso será encaminhado à Comissão de Ética da casa.

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos