18 de Outubro de 2021

Caiu: Após chamar chef de vagabunda, secretário Fábio Vilas-Boas não resiste e deixa o cargo

O secretário de Saúde do Estado da Bahia, Fábio Vilas-Boas, deixou o cargo nesta terça-feira (3), após o episódio em que agrediu verbalmente a chef de cozinha e empresária, Angeluci Figueiredo, do restaurante Preta, localizado na Ilha dos Frades.

O gestor a chamou de "vagabunda", além de outras ofensas. O fato ocorreu após a empresária comunicar ao gestor, através de um aplicativo de mensagens, que a reserva feita por ele teria que ser cancelada por causa de questões climáticas.

A reunião que decidiu o futuro de Vilas-Boas, com governador Rui Costa, o secretário da Casa Civil, Carlos Mello e outros integrante do governo, ocorreu no fim da tarde desta terça (3). A divulgação do vídeo em que Fábio Vilas-Boas é flagrado invadindo o Restaurante Preta, na Ilha dos Frades, foi o estopim para o governo.O governador avalia possíveis nomes para substituir o secretário.

O que sabe até o momento é que a prioridade é por um perfil técnico. Fontes do BNews informaram que nomes de fora da gestão estão sendo sondados, como diretores de hospitais estaduais de grande porte ou policlínicas.

O perfil técnico é avaliado por alguns aliados como o mais provável já que o país ainda enfrenta a pandemia do novo coronavírus. Outros nomes também foram ventilados como o da subsecretária de Saúde, Tereza Paim, que vem comandando ações na pandemia desde o ano passado e a ex-chefe de Gabinete da Secretaria da Saúde, Nelma Carneiro Araújo, que hoje comanda a chefia de gabinete da Secretaria de Educação.

O caso Após a repercussão do caso, o secretário publicou um pedido de desculpas através do Twitter. “Por mais cuidadosos que sejamos, ao longo da vida cometemos erros que podem atingir as pessoas. Peço, portanto, desculpas à empresária e artista da gastronomia baiana, a Chef Angeluci Figueiredo, pelos comentários inadequados no último domingo (1), em circunstâncias injustificáveis, enviados por mensagem privada. Tendo reservado um almoço especial com os familiares e amigos do exterior com a devida antecedência de 48h, uma enorme frustração momentânea me levou, tomado de emoção, a dizer o que disse.

Conto com o perdão de todos que se sentiram ofendidos, pois sempre pautei minha vida na verdade, honestidade e acolhimento”, publicou. Em nota, a empresária Angeluci Figueiredo justificou que “o restaurante Preta foi fechado por forças das circunstâncias climáticas e pediu que o secretário refletisse “sobre a gravidade das duas palavras e sobre a inadequação e a vulgaridade delas” [...] “O secretário, um médico bem sucedido, empresário, agropecuarista, homem branco, de família tradicional, etc, etc, alimentando a cultura da intolerância e dos tais privilégios ditos brancos, ofendendo moralmente uma mulher negra, chamando-a diretamente de vagabunda, e por quê? Pelo fato de razões climáticas terem lhe impedido um domingo de bem estar num restaurante localizado numa ilha sujeita a intempéries, como qualquer local no meio do mar”, disse.

O fato gerou grande repercussão no meio político. Deputados, vereadores, prefeitas, e representantes de entidades sociais reagiram às declarações consideradas como “machista e misógina”.

Conforme informações apuradas pelo BNews, a alta cúpula do governo da Bahia pressiona Fábio Vilas-Boas, para que peça exoneração do cargo devido ao desgaste imposto ao governo Rui Costa na véspera de ano eleitoral.

Em nota enviada ao BNews, a Secom do governo estadual disse que “o governo da Bahia afirma lamentar o episódio, considera inadmissível qualquer agressão e manifesta total solidariedade à empresária Angeluci Figueiredo e a todas as mulheres”.

 

 

 

Bnews

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos