17 de Novembro de 2019

Queda no preço dos alimentos contribui para deflação de 0,04% em setembro

O mês de setembro registrou deflação de 0,04% no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). É o menor resultado para este mês desde 1998, divulgou nesta quarta-feira (9) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O principal fator que contribuiu para a deflação foi o grupo alimentação e bebidas (-0,43%), de acordo com o IBGE. O item caiu pelo segundo mês seguido e viu a alimentação no domicílio ter queda de 0,70% nos preços. O tomate (-16,17%), a batata-inglesa (-8,42%), a cebola (-9,89%) e as frutas (-1,79%) foram registros que contribuíram para a variação negativa.

Dez dos 16 locais pesquisados pelo IBGE registraram deflação em setembro. O principal deles foi São Luís, com -0,22%, principalmente devido à queda da energia elétrica, que chegou a -6,97%. Goiânia, por sua vez, teve a maior variação positiva: 0,41%. De acordo com o IBGE, a inflação na capital de Goiás se deu por causa da alta no preço da gasolina, que chegou a 2,80%.

No acumulado de 2019, o IPCA chegou a 2,49%.  Nos últimos 12 meses, ficou em 2,89%. Essa também foi a primeira deflação desde novembro do ano passado, quando o país registrou -0,21%. O recuo no preço dos alimentos já havia refletido no registro de agosto, segundo o gerente do IPCA, Pedro Kislanov. "Já tinha apresentado queda de -0,35%, que se intensificou para -0,43%", disse.

Na ocasião, tomate (-24,49%), batata inglesa (-9,11%), e verduras e hortaliças (-6,53%) tiveram significativas reduções nos preços. "Alimentação no domicílio, que caiu pelo quinto mês consecutivo", afirmou Pedro Kislanov. Outro fator que contribuiu para a deflação foram os preços dos eletrodomésticos e equipamentos, com redução de -2,26%. Assim, o item artigos de residência (-0,76%) contribuiu com -0,03 pontos percentuais no índice do mês.

Outro grupo que apresentou deflação foi comunicação, com -0,01%. Já a energia elétrica, que tem grande peso no item habitação e tinha aumentado 3,85% em agosto, por conta da mudança da bandeira de amarela para vermelha patamar 1, permaneceu estável em setembro. Transportes também demonstrou estabilidade, com aumento nos combustíveis de 0,12%, puxado pelas altas no óleo diesel (2,56%) e etanol (0,46%), indo em sentido contrário à ligeira queda na gasolina (0,04%).

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos