31 de Março de 2020

Desembargadora do TJ-BA confessa que pediu favor para filho assumir cartório de Alagoinhas

Em um telefonema interceptado pela Polícia Federal, a desembargadora Sandra Inês Rusciollelli confessou que “protege todos os filhos” de desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) e familiares, “mesmo que estejam errados”. A desembargadora foi presa nesta terça-feira (24), durante a 5ª fase da Operação Faroeste, deflagrada para desarticular um suposto esquema de compra e venda de sentenças em uma disputa judicial de terras no oeste. A interceptação aponta ainda que Sandra teria atuado para beneficiar o filho a assumir a unidade cartorial.
 
Na gravação, a magistrada diz que, por mais de 30 anos, atuou rigorosamente dentro da lei, e que jamais usou a “caneta pra fazer qualquer tipo de negociata”, mas que ainda assim atuou de forma a ajudar amigos. “Eu tenho a consciência de que eu ajudei Socorro [desembargadora Maria do Socorro, presa na operação], ajudei Roque [Antônio Roque, servidor preso na Faroeste], ajudei aquele pessoal por amizade. Porque eles ajudaram Vasquinho [Vasco Rousciollelli, filho dela] no negócio do cartório. É feio eu dizer isso, mas a verdade é essa”, afirmou a magistrada durante conversa gravada pelo advogado Júlio Ferreira. 

“Ela [Desa. Lígia Ramos] já sabe que eu protejo os filhos mesmo; que eu protejo todo mundo: eu protejo os amigos e protejo os filhos de desembargadores, mesmo… Eu disse a Socorro [desembargadora]: ‘Socorro, se seus filhos tiverem errados, eu protejo do mesmo jeito’. E o Tribunal sabe que eu protejo família. Se eu puder ajudar, eu ajudo, mas prejudicar, eu não prejudico”, admitiu. Os trechos são parte de uma conversa que ela teve com o advogado Júlio César Ferreira, que tem ajudado na investigação da Polícia Federal.

A desembargadora ainda completou: “Meu discurso é esse, muito claro e todo mundo sabe: eu não persigo filho de colega, em nenhuma circunstância, Júlio. Se eu puder ajudar, eu abro o meu coração pra ver tudo. Mas, também, se eu não puder… prejudicar, eu não prejudico. Posso prejudicar, se eu não vir a aperceber do que eu estou fazendo, é muito difícil. Os amigos que precisarem podem contar comigo, disso não tenham dúvida não. Se eu não pude ajudar, eu vou dizer, Júlio, isso aqui não dá por isso, isso e isso. Mas lhe prejudicar eu não vou”. 

No caso específico dos cartórios, conforme noticiado pelo Bahia Notícias em julho de 2013, a desembargadora Telma Britto manteve o afastamento de Vasco Rousciollelli da interinidade dos Cartórios do 1º e 2º Ofícios do Registro Pessoas de Alagoinhas, por nepotismo (veja aqui). O filho de Sandra chegou a argumentar que é servidor concursado do TJ-BA e que foi designado pela Corregedoria, no ano de 2017, para atuar interinamente no cartório. Ele havia refutado que, no caso, havia caracterização de nepotismo por ser filho de desembargadora. A decisão de Telma Britto manteve o posicionamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de afastar Vasco do cartório de Alagoinhas.

 

 

Bahia notícias

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos