21 de Outubro de 2020

Presidente do Peru sobrevive à votação de impeachment e segue no cargo

Foto:Andres Valle/AFP

 

O presidente peruano, Martín Vizcarra, 57 anos, conseguiu resistir à batalha da moção pela vacância e, agora, terá o desafio de permanecer no cargo até 28 de julho de 2021, data das eleições. Pouco depois das 21h55 de ontem (23h55 em Brasília), em votação nominal e por ordem alfabética, o Congresso rejeitou o afastamento de Vizcarra — foram 32 votos a favor da vacância, 78 contra e 15 abstenções. Eram necessários 87 votos a favor da destituição do chefe de Estado. Foi mais um capítulo da instabilidade democrática do Peru, que teve cinco presidentes processados e um morto por suicídio, após acusações de corrupção. Pouco depois das 11h30 (13h30 em Brasília), os 130 congressistas começaram a debater o futuro do chefe de Estado, que adotou um tom conciliador na apresentação da própria defesa.Vizcarra era acusado de “incapacidade moral”, por ter supostamente incitado assessores a mentirem sobre relações polêmicas com o cantor Richard Cisneros, com quem o Ministério da Cultura firmou contratos irregulares no valor equivalente a R$ 10 mil. Os debates no Congresso arrastavam-se por mais de quatro horas, quando Vizcarra, em visita a Trujillo, a 490km de Lima, instou os legisladores a não postergarem suas decisões. “Uma mensagem respeitosa aos congressistas da República, a maioria provincianos, como eu. Não adiemos as decisões, as que devemos tomar, tomemo-nas hoje e, de uma vez, trabalhemos pelo desenvolvimento”, comentou.

Em entrevista ao Correio, Milagro Campos Ramos — professora de direito constitucional e de política da Pontificia Universidad Católica del Peru — avaliou que, apesar de o resultado da votação ser positivo para Vizcarra, “está longe de ele sair fortalecido”. “A democracia se fortaleceu. Perde o partido Unión por el Perú (UPP), liderado por Antauro Humala, irmão do ex-presidente Ollanta Humala, da esquerda radical. É uma boa notícia para a nação”, explicou.Por sua vez, José Elice Navarro, advogado, especialista em direito parlamentar e professor da Universidad Nacional Mayor de San Marcos (em Lima), disse à reportagem que o resultado foi o esperado. “A defesa foi bem planejada, simples e correta. Quase tudo era presuntivo, não havia crime configurado”, comentou. Ele entende que a maioria da população não estava de acordo com a destituição. “As investigações continuarão. Uma na Comissão de Fiscalização do Congresso e outra no Ministério Público. Esperamos que isso sirva de lição, tanto para o Congresso quanto para o governo”, comentou. Navarro também vê um presidente mais debilitado politicamente. “Ele se ofereceu a colaborar com as investigações. Recebeu um tipo de ‘perdão conveniente’, devido à crise que atravessa o país. Vizcarra tem muito a explicar. O Congresso também sai enfraquecido. Terão de fazer algo muito criativo, e de forma coesa, para que as pessoas recobrem a confiança em suas lideranças.”

Defesa
Em breve discurso de 30 minutos, três páginas e 13 pontos, Vizcarra apresentou a própria defesa na tribuna do Congresso, na manhã de ontem. O presidente afirmou que sua presença na sede do Legislativo era importante para dar um sinal de que a democracia peruana é forte. “Venho aqui porque sou consequente em todo o que digo ao longo de minha gestão. Não corro, não o fiz e não o farei agora. Estou aqui, de cabeça erguida e com minha consciência tranquila, não somente ante a vocês, os 130 congressistas, mas perante os 33 milhões de peruanos e peruanas”, declarou. Ao reconhecer que sua voz aparece em “um dos áudios”, Vizcarra reforçou que não reconhecerá, nem aceitará as acusações a ele imputadas. “Pergunto eu: ‘Qual é o delito?’ Com isso, não quero dizer que não se deve investigar, pelo contrário, sou o primeiro interessado em que se analisem todos os detalhes, que se contrastem as informações, e que se chegue ao fundo da verdade”, acrescentou.

 

Pouco depois, o advogado de Vizcarra, Roberto Pereira, instou o Congresso a rejeitar a moção de impeachment. “Proponho que o pedido de vacância seja indeferido por motivo de incapacidade moral. É evidente que esta moção padece de uma qualificação mínima elementar dos fatos”, argumentou. “Para romper a vontade popular e destituí-lo do cargo é preciso ser absolutamente objetivo e sério”, acrescentou.

Trechos da defesa de Vizcarra
“Não corro, não o fiz e não o farei agora. Estou aqui, de cabeça erguida e com minha consciência tranquila, não somente ante a vocês, os 130 congressistas, mas perante os 33 milhões de peruanos e peruanas.”

“Quero dar confiança ao povo peruano, o único crime, a única ilegalidade comprovada até agora, é a gravação clandestina. Senhores congressistas, não nos distraiamos do enorme desafio que temos à frente, Hoje, uma vez mais, um presidente comparece ante o Congresso, e, desta vez, em meio a uma emergência sanitária que aflige
todo o país.”

“Reconheço que é a minha voz em um dos áudios, já disso isso publicamente. O que de modo algum reconhecerei e aceitarei são as acusações que fazem contra mim e a forma tendenciosa com que as apresentam.”

“Eu pergunto: ‘Qual é o delito?’. Com isso, não quero dizer que eu não deva ser investigado, pelo contrário, sou o primeiro interessado em que se analisem todos
os detalhes, que se contrastem as informações, e que se chegue ao fundo
da verdade.”

“O Peru não pode ficar retido pelo conteúdo de áudios sem nenhuma validade, a gestão da pandemia e a reativação econômica não podem estar em suspenso.”
Bastidores
Polêmica na tribuna
O presidente do partido Podemos Perú, Daniel Urresti (foto), protagonizou um dos momentos mais polêmicos do julgamento de impeachment de Vizcarra. Segundo o jornal El Comercio, ele acusou o governo de ter negociado com alguns congresisstas para evitar a destituição do presidente. “Há quem já negociou com o Executivo cargos no interior do país, outros já negociaram ofertas orçamentárias para suas regiões, e outros creem não haver delitos. Os motivos são vários. Nós sabemos que há votos para a destituição”, afirmou.

Carta de desculpas

Karem Roca, a funcionária do gabinete presidencial que gravou uma conversa comprometedora com Vizcarra, divulgou carta de desculpas, ontem, depois de acusar a Marinha de grampear congressistas peruanos. Na missiva, ela sustenta que “as afirmações não são certas e foram feitas em um momento de crise emocional muito aguda”. Na conversa que detonou o escândalo político, Vizcarra pede a Karem Roca e à também assessora Miriam Morales que mintam sobre a quantidade de vezes que o cantor Richard Cisneros esteve no Palácio do Governo. “É preciso dizer que ele foi duas vezes”, em vez de cinco, Vizcarra diz a elas. Ambas fora demitidas.

Ex-primeira-dama presaA Justiça peruana impôs prisão domiciliar à mulher do ex-presidente Ollanta Humala (E), Nadine Heredia (D), que foi investigada no escândalo da construtora Odebrecht, informou a Câmara Criminal Anticorrupção do Superior Tribunal de Justiça Nacional. Dessa forma, a Turma Penal revogou a liberdade condicional concedida a Heredia por outro tribunal há pouco mais de um mês, e que tinha sido apelada pela procuradora Geovana Mori. A acusação solicitou para Heredia e dois ex-ministros de Humala, Luis Castilla e Eleodoro Mayorga, 36 meses de prisão preventiva por supostos crimes em um contrato para a construção de um gasoduto e uma associação criminosa. Segundo a acusação, a ex-primeira-dama exerceu poder de facto dentro do durante o mandato de Humala (2011-2016).

 

Fonte:Correio Braziliense

Whatsapp

Galeria

Barcelona finaliza contratação de Neymar, diz TV
Imagens de 'close' inédito da Grande Mancha Vermelha de Júpiter
FOTOS HISTÓRICAS QUE VOCÊ PROVAVELMENTE NUNCA VIU
Ver todas as galerias

Artigos